» Abapa é representada na Missão Empresarial do Brasil à China

A missão baiana à Ásia coordenada pela Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), com o objetivo de atrair investimentos para a agroindustrialização do estado e o fortalecimento do comércio bilateral, esteve em Hong Kong, entre os dias 07 e 09 de abril e em Pequim nos dias 11 e 12 de abril. A Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) foi representada pelo produtor, Celito Missio.

Em Hong Kong, a delegação foi composta por 34 empresas e entidades empresariais representativas dos setores de alimentos e moda para encontros e rodadas de negócios com empresas chinesas e de mais cinco países do sudeste asiático (Indonésia, Malásia, Cingapura, Vietnã e Tailândia). O representante da Abapa, Celito Missio, acompanhou a delegação baiana liderada pelo secretário de agricultura, Eduardo Salles.   De acordo com Celito, a Missão Comercial à China, foi uma oportunidade para divulgar junto aos chineses e ao Consulado Brasileiro as potencialidades do oeste da Bahia através do material publicitário fornecido pela Abapa, Aiba e Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães, com ênfase para o algodão produzido no estado. “Não estamos apenas visando o fornecimento de matéria prima para a China, temos principalmente o objetivo de prospectar e atrair investimentos para a verticalização da cadeia produtiva do algodão em nosso estado. A China,  apesar de ser o maior produtor mundial de algodão, é também o maior consumidor e o maior importador mundial da fibra,  portanto um potencial parceiro para o nosso negócio”, destacou Celito. A comitiva visitou ainda, o Porto de Hong Kong, um dos principais da Ásia, capaz de operar  simultaneamente 25 navios de grande porte para cargas de contêineres.                 

No último dia 11, a comitiva esteve em  Pequim,  capital da República Popular da China, onde a APEX Brasil  mantém um Centro de Negócios (CN) para orientar e apoiar o empresário brasileiro que pretende realizar negócios na China. A missão baiana participou da solenidade que foi marcada pela assinatura do protocolo de intenções  entre o governo do estado da Bahia, representado pelo governador Jaques Wagner   e o  grupo chinês  Chong Qing Grain Group,  para investir R$ 4 bilhões na Bahia visando implantar um pólo industrial em Barreiras, para esmagar soja e refinar o óleo. No mesmo dia a comitiva participou do seminário “Como  fazer negócios na China” promovido pela  Confederação  Nacional  da Indústria (CNI).

O maior seminário empresarial dessa missão, aconteceu no dia 12, com o tema  “Brasil – China:  para além da complementaridade. Parcerias para benefícios mútuos” , que foi encerrado com a participação da presidente da república, Dilma Rousseff e pelo vice-primeiro ministro da China, Wang Qishan.  Houve pronunciamentos das principais  autoridades e instituições brasileiras entre eles, o Ministro da Agricultura, Wagner Rossi  e as  autoridades chinesas,  evidenciando as potencialidades do Brasil e da China no que diz respeito a infraestrutura, alimentos, energia, tecnologia e moda. Participaram do evento aproximadamente  300 empresários brasileiros e 300 empresários chineses.

Os compromissos oficiais foram encerrados no mesmo dia 12, com a visita do secretário de agricultura, Eduardo Salles a indústria Hopefull Group Oil Food, um potencial investidor para a verticalização da cadeia produtiva do algodão na Bahia.   Depois de atrair investimentos para a agroindustrialização da soja no oeste da Bahia, a Seagri, trabalha com o objetivo de agroindustrializar o algodão e vê a possibilidade de implantar uma indústria com esse objetivo. O presidente da Hopefull, Shi Kerong, afirmou que “o foco é soja, mas temos parcerias com a indústria têxtil e podemos ajudar a Bahia industrializar o algodão”. 

Celito Missio que também esteve na indústria Hopeful, destacou que a Missão Comercial à China foi  uma excelente oportunidade para favorecer o fortalecimento da cotonicultura  e promover o algodão da Bahia no mercado externo. “Missões internacionais como esta divulgam a qualidade da nossa fibra e projetam o algodão da Bahia mundialmente. A Abapa mais uma vez está participando da Missão Comercial à China, pois tem como uma de suas prioridades facilitar e ampliar o acesso ao mercado internacional e fortalecer a imagem do algodão da Bahia”, finalizou.

Por:

Cristiane Barilli

Assessoria de Imprensa da Abapa/ Com informações da Ascom Seagri.