Abapa representa a cadeia produtiva do algodão na 25ª edição da Fenagro

Publicado em: 27/05/2020 às 10:31:37

foto-texto-3703

Superando as expectativas dos organizadores e expositores, a 25ª edição da Fenagro, ocorrida entre os dias 24 de novembro e 02 de dezembro no Parque de Exposições de Salvador, reuniu 300 mil visitantes nos nove dias de feira. “Apesar da seca que atingiu o Estado, o agropecuarista baiano mostrou sua força e competência, superando todos os obstáculos e dando exemplo para o mundo. Tenho certeza que recuperaremos nossos rebanhos e nossas pastagens, e voltaremos a produzir grãos e outros produtos com maior produtividade que antes da seca”, afirmou o secretário estadual da Agricultura, Eduardo Salles.

Considerada a maior feira agropecuária do norte e nordeste, a Fenagro ofereceu programação diferenciada agradando tanto aos visitantes e turistas como aos expositores do evento. Em parceria com a EBDA, 27 cadeias produtivas estiveram representadas no parque de exposições, entre elas o algodão, guaraná, cacau e café.

Representando o algodão, esteve a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), que levou sementes, algodão em pluma, fardo de algodão e montou teares no local, atraindo a curiosidade de todos que passavam pelo stand. Os representantes da Abapa e da EBDA explicaram toda a evolução da cadeia, suas peculiaridades e desenvolvimento, da semente aos produtos derivados do algodão. Além da pluma, matéria prima para a fabricação de tecidos de todas as espessuras, cores e estampas, em todas as partes do mundo, o caroço do algodão também é aproveitado. Dele, é extraído o óleo de algodão, utilizado em larga escala na produção de diversos produtos como óleo de cozinha, cosméticos e biodiesel. Também do caroço é produzido tortas de algodão, produto rico em proteínas utilizado na alimentação animal.

Artesãs do projeto Tecendo Cidadania da Abapa estiveram presentes na feira, trabalhando nos teares durantes as visitações, demonstrando como acontece a criação de tapetes, mantas e demais materiais produzidos pelos teares artesanais. Implantado em parceria com a Prefeitura, com a EBDA e com o apoio do Fundeagro, o projeto acontece no município de Pindaí, sudoeste baiano. Neste projeto 45 mulheres são beneficiadas pelo programa, onde aprenderam a trabalhar o algodão em pluma, transformando-o em fio de algodão que dará vida, com os teares, a tapetes, colchas, cortinas e outros produtos que são postos à venda.

Compartilhar:
;