» Aiba e Abapa itinerantes chegam à Roda Velha

Comunidade agrícola é a segunda a receber as equipes das entidades de classe para discutirem demandas locais

Maior produtor brasileiro de algodão, o distrito de roda Velha, que pertence ao município de São Desidério, enfrenta alguns gargalos para manter o título e a alta produtividade em campo. Um deles é o fornecimento de energia elétrica em quantidade e qualidade suficientes para manter os pivôs e as algodeiras da região. A queixa é antiga, mas pouca coisa tem sido feita neste sentido. Pensando em buscar respostas e soluções para este problema, a Aiba e Abapa convidaram representantes da Coelba para participarem da tradicional reunião da comunidade, que aconteceu na noite desta quinta-feira (25).

Segundo o gestor da unidade de atendimento da Coelba, Leonardo Matos, a concessário tem buscado junto à Eletrobras ampliar a sua capacidade de atender a demanda local, que é equivalente a de uma grande cidade. “Nenhuma empresa pode comprar mais do que 5% da sua capacidade de distribuir. Então estamos nos estruturando para isso, com estimativa de suprir a necessidade até 2024 “ , anunciou, ressaltando que de imediato a empresa está blindando 230 km de rede, com a troca de isoladores, cruzetas, postes e com a instalação de pará-raios, visando prestar um serviço melhor.

Além da questão energética, a pauta incluiu outros temas relacionados ao agronegócio. Como acontece todos os anos, em uma espécie de “prestação de contas” aos associados que não têm tempo de acompanhar de perto as ações das instituições, a Aiba e Abapa apresentaram os projetos e programas que vêm sendo executados pelo setor agrícola, representado pelas duas entidades de classe.

“Além de defender os interesses da categoria junto às esferas municipal, estadual e federal, as associações têm atuado em várias frentes: desde a infraestrutura, com a manutenção de estradas e construção de pontes, até a segurança, com o apoio à Operação Safra, que tem reduzido o índice de criminalidade e de violência, oferecendo mais tranquilidade aos produtores e à população em geral. No âmbito jurídico, conseguimos alguns êxitos no que diz respeito ao Funrural e ao Salário Educação. Sem falar nas ações ambientais que a Aiba e Abapa desenvolvem, a exemplo, da recuperação de nascentes, coleta seletiva, combate a incêndios florestais e orientação ao produtor”, pontuou o vice-presidente da Aiba, Odacil Ranzi, ao conduzir a reunião.

Questionado sobre a aplicação dos recursos do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), o vice-presidente da Abapa, Paulo Schmidt, citou que os investimentos em estradas e em centro de treinamentos. “Não podemos pensar isoladamente e sim em toda região. Se os grãos e fibras produzidos no Oeste tiverem qualidade haverá o desenvolvimento regional e todas as comunidades agrícolas serão beneficiadas. Nossos concorrentes não são os produtores vizinhos, e sim os de outros estados e países, que contam com mais infraestrutura que nós. Estamos investindo em rodovias, pois dependemos delas para transportar a nossa produção, mas temos que brigar mesmo é pela ferrovia que resolveria o problema do setor. E é isso que a Abapa tem feito: defender, seja em Brasília ou Salvador, o interesse da categoria, a exemplo dos royalties, do Proalba, etc…”, explicou.

Schmidt convocou os associados a serem mais assíduos nas reuniões das entidades, para que possam participar das decisões e indicar as prioridades de investimentos dos recursos do Fundeagro e Prodeageo. “Às vezes pela correria diária, às vezes pela distância geográfica, o produtor não vai até a associação para saber como o seu dinheiro está sendo aplicado ou mesmo para cobrar mais representatividade em determinada localidade, mas é preciso participar mais, até para poder levar ao conhecimento dos gestores os problemas dos quais eles não têm conhecimento.

Com o intuito de aproximar associados das associações é que são realizadas anualmente as reuniões nas comunidades, sempre no período compreendido entre os meses de julho e setembro. Seguindo o calendário de 2019, o próximo encontro acontecerá no dia 8 de agosto, em Luís Eduardo Magalhães, abrangendo os produtores da comunidades de Placas.

Ascom Aiba