» Cenário positivo acelera quitação de dívidas

O campo brasileiro vive um momento excepcional de produtividade em alta e forte aumento da rentabilidade. As razões são os picos históricos de preços de algumas commodities, os custos de produção em queda e o clima favorável em quase todo o país. Os fundamentos são tão favoráveis que os produtores iniciaram uma inédita onda de antecipação de pagamentos de suas dívidas. Acostumado aos pedidos de rolagem das dívidas, o Banco do Brasil, maior operador de crédito rural do país, já registra “retornos voluntários” superiores a 10% dos empréstimos ao setor.

Movidos pela febre do consumo, interno e externo, os produtores aproveitam o cenário favorável para pagar dívidas antigas. O BB, cuja carteira rural soma R$ 75 bilhões, informa ter recebido 60% dos débitos renegociados em épocas de crise climática e de renda no período 2004-2007.

“Os produtores têm aproveitado a boa renda para antecipar os pagamentos e obter mais limite de crédito e aumentar os investimentos na produção”, disse o diretor de Agronegócios do Bando do Brasil, José Carlos Vaz, em audiência no Senado.

O efeito multiplicador não para por aí. A inadimplência da carteira recuou a 1,2%. É o melhor momento desde o índice de 0,8% registrado há dez anos. O BB planeja a entrada no quinto ano de recorde na concessão de crédito ao campo. No ciclo 2011/12, a ser iniciado em julho, o banco deve emprestar R$ 55 bilhões ao setor rural – nesta safra, fechará acima de R$ 42 bilhões estimados.

“Vamos conceder 30% a mais de crédito na próxima safra”, disse Vaz. Na audiência, o diretor elogiou “grande esforço” do Ministério da Fazenda ao alterar regras do crédito rural para aperfeiçoar os controles dos bancos e a elevação dos volumes emprestados.

A formidável melhora nas margens dos produtores “contagiou” as lavouras mais importantes. O BB repassou dados impressionantes aos senadores. Na soja, a margem média nos principais polos agrícolas dobrou na comparação com a temporada 2009/10. No milho, superou 50% a safra anterior e no algodão, foi multiplicada por três.

A onda de pagamentos antecipados levou a uma sensível melhora na classificação de risco (“rating”) dos produtores. A consultoria Agrosecurity, por exemplo, registrou a tendência e informa ser o melhor resultado desde 1988. A rentabilidade operacional de todos os grupos de produtores monitorados pela empresa teve um grande salto.

Atualmente, nenhum deles tem “rating” inferior ao nível “B”, na avaliação da consultoria. Na média, a maioria passou de “B” ou “A” para “AA”. É o caso dos produtores das regiões sudoeste do Paraná, norte de Minas Gerais, oeste da Bahia, sudoeste de Goiás, sul de Mato Grosso e do Maranhão. “Nossa análise de fluxo de caixa, dívidas, patrimônio e saldos de safras anteriores reflete a prosperidade”, afirma o economista Fernando Pimentel.

A Agrosecurity afirma ser “o melhor resultado em cinco anos”, já que em 2003 o cenário era ótimo para a soja, mas ruim para milho e café. “Desta vez, foi bem na geografia e nas culturas todas”, diz Pimentel. Isso também ajudou as empresas revendedoras de insumos, que elevaram seus “ratings” de liquidez, caixa, balanço e qualidade gerencial em quase todo o país.

A próxima safra, entretanto, deverá registrar custos de produção mais elevados. Mas a pressão da forte demanda por milho, soja, trigo e outros grãos tende a evitar a recomposição imediata dos estoques, o que deve seguir sustentando a rentabilidade. Nem mesmo a eventual abundância da safra dos Estados Unidos deve derrubar os preços das commodities.

Em análise aos senadores, o diretor do Banco do Brasil avalia que a China continuará como motor do consumo da soja e aumentará bastante as compras de milho, deixando de ser autossuficiente. Em 2010, os chineses compraram 1 milhão de toneladas. Neste ano, devem superar 5 milhões de toneladas, o que será “explosivo” para os preços do milho. Nos Estados Unidos, a batalha entre alimentos e etanol de milho deverá continuar. Mas a balança deve pesar em favor da elevação das cotações.

Outros solavancos podem ficar com eventuais movimentos de fundos de investimento em commodities. O clima é uma incógnita, mas o fenômeno “La Niña” (resfriamento das águas do Oceano Pacífico) deve terminar cedo, em junho. E as chuvas no Centro-Sul devem ser normais no plantio. Mas o Banco do Brasil faz alertas: “A cada cinco anos, a região Sul terá duas secas. Por isso, o produtor tem que vender antes, fazer opções e reduzir a dívida”, aconselhou José Carlos Vaz, do Banco do Brasil.

A consultoria Agrosecurity avalia como “muito boas” as perspectivas para a safra 2011/12. “Os resultados anteriores foram bons e os futuros continuarão muito bons, com boa geração de caixa”, afirma Fernando Pimentel.

Fonte: Abrapa