» IMA inicia certificação do algodão produzido em Minas

O processo de certificação acontecerá sempre entre os meses de maio e setembro, datas em que acontece a safra do algodão no estado.

       O objetivo é atestar a qualidade e garantia de procedência do algodão inserido no Programa Mineiro de Incentivo à Cultura do Algodão (PROALMINAS). Além disso, propiciar parcerias com o setor produtivo do algodão, já que, as indústrias têxteis que comprarem o produto certificado terão uma desoneração tributária.

       O PROALMINAS é coordenado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa) e busca incentivar a modernização da produção agrícola do algodão, além de estimular a indústria têxtil. Minas Gerais possui 29 mil hectares de área plantada de algodão, sendo que a região Noroeste é a maior produtora, com 15,4 mil hectares.

       O coordenador do PROALMINAS, João Ricardo Albanez, explica que o algodão mineiro consumido pela indústria deve ter certificado de origem e qualidade. ?A certificação é realizada como forma de cumprir a legislação vigente. Além de valorizar o produto de Minas, contempla também o produtor que recebe 9% a mais no preço do algodão?, completa.

       O IMA credenciará o laboratório Minas Coton, localizado em Uberlândia, para realização das análises de fibras, além de análises visuais do produto. Os laudos emitidos pelo laboratório serão encaminhados ao Instituto para a emissão do certificado de origem e qualidade do algodão. O laboratório Minas Coton presta serviços sob a certificação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

       Através do certificado que será emitido pelo IMA e encaminhado às unidades de beneficiamento estaduais o setor têxtil, no ato da compra do algodão, obterá a desoneração tributária sob o imposto de operações relativas à circulação de mercadorias e sob as prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicações (ICMS). Atualmente, o estado conta com 18 unidades de beneficiamento, sendo 11 algodoeiras e sete cooperativas.

       Parte do recurso dessa desoneração irá para o ?Fundo de Algodão? que por sua vez, beneficiará os produtores com investimentos em pesquisas, assistência técnica e logística. O ?Fundo de Algodão? é administrado conjuntamente pela iniciativa pública, representada pela Seapa e privada, através da Associação Mineira dos Produtores de Algodão de Minas Gerais (AMIPA).

       De acordo com o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto a certificação do algodão proporcionará uma maior garantia de mercado ao produtor. ?Ele terá mais competitividade devido à qualidade e valor agregado ao produto, certificado como genuinamente mineiro e de acordo com as normas de qualidade definidas pelos principais setores de consumo?, informa.

       Rodrigues Neto lembra ainda, que os programas que o estado vem desenvolvendo para aprimorar a qualidade dos produtos agropecuários agregam não só valor, mas também confiança no consumo de produtos mineiros.

       Certificação

       O IMA é responsável pela certificação de origem e qualidade dos produtos agropecuários e agroindustriais produzidos em Minas Gerais.

       Além de certificar a origem do algodão, o IMA também atua na certificação de produtos como, cachaça, café, queijo minas artesanal, produtos hortigranjeiros orgânicos, café sem agrotóxico e na rastreabilidade bovina.

       Os interessados nestes serviços poderão procurar a Gerência de Certificação do Instituto, através do site www.ima.mg.gov.br.

Fonte: Abrapa