» Projeto ABR

Sustentabilidade – Programa Algodão Brasileiro Responsável

Três Pilares

 

Os cotonicultores da Bahia, através da Abapa, elegeram a sustentabilidade como uma diretriz prioritária do seu trabalho. Por isso, os três pilares, deste conceito, o Econômico, o Ambiental e o Social, são referências presentes em todos os processos que envolvem a produção da fibra no estado, assim como a comercialização, passando pela contratação da mão de obra, sempre de acordo com a legislação e as normas vigentes no país – definidas pelas entidades reguladoras do comércio internacional.

O objetivo da Abapa é o de que, em um futuro próximo, cada capulho de algodão produzido no estado traga embarcados esses princípios, que passam pela ética, pela responsabilidade e pela justiça.  O Programa Algodão Brasileiro Responsável – ABR e o Better Cotton Iniciative – BCI são os carros-chefes desse modo de pensar a cotonicultura brasileira.

Benchmark

O Programa Algodão Brasileiro Responsável – ABR nasceu em 2012 nos moldes de duas importantes iniciativas socioambientais da cotonicultura: o Instituto Algodão Social – IAS, criado em 2005 pela AMPA com o objetivo de organizar e fortalecer a atuação socioambiental dos produtores do Mato Grosso; e o Programa Socioambiental da Produção de Algodão – Psoal, lançado pela Abrapa e suas associadas em 2009, expandindo o conceito da sustentabilidade na cotonicultura para o âmbito nacional.

O ABR foi a junção dos protocolos desses dois programas bem-sucedidos, com ampliação das bases de avaliação, aprimoramento do processo de certificação das unidades produtivas e incorporação de critérios de ordem ambiental. Antes, contudo, em 2010, a cotonicultura sustentável brasileira, então sob o guarda-chuva do Psoal, havia ganhado reforço internacional com a chegada ao Brasil da Better Cotton Inciative – BCI, uma entidade de ação global que tem como missão melhorar a produção de algodão no mundo, lastreada nos princípios socioambientais e com foco no retorno dos investimentos ao produtor.

Assim como a BCI, o ABR tem como alicerce o incremento progressivo das boas práticas sociais, ambientais e econômicas nas unidades produtivas de algodão. Essas práticas são rigorosas no que tange às relações trabalhistas, ao cumprimento das normas de saúde e segurança no trabalho, baseadas na NR 31, à proibição total do trabalho infantil e da prática de trabalho análogo ao escravo, ou em condições indignas ou degradantes, à proibição de discriminação de pessoas, à liberdade de associação sindical e apoio à negociação coletiva entre sindicatos laborais e patronais, à proteção legal, ao uso racional e preservação do meio ambiente, dentre outras.

Programa ABR/BCI – Bahia – Safra 2017/18:
Na safra 2017/2018, foi certificado um total de 191.586 mil hectares de área abrangendo 53 propriedades de agricultores que comprovaram excelência em parâmetros mundiais de boas práticas sociais e ambientais, com respeito aos trabalhadores no campo, a exemplo do cumprimento de normas de saúde e segurança; e da legislação trabalhista e de preservação de meio ambiente. Com o crescimento de 10,42% em relação à safra anterior demonstra que a sustentabilidade vem, de forma gradual, sendo incorporada na gestão das propriedades rurais do oeste da Bahia.

Para a certificação da safra 2017/2018, foram realizadas 65 visitas a unidades produtivas para realização de auditoria interna. Essa etapa é feita pela equipe técnica da Abapa que checa um total de 225 itens ligados ao respeito à legislação e critério sustentável na produção agrícola, que será seguido pela elaboração e execução de um plano para atender as não conformidades.

Programa ABR/BCI – Bahia – Safra 2016/17:
Na safra 2016/2017, 74,1% da área plantada de algodão recebeu a certificação ABR/BCI, abrangendo um total de 140.416 mil hectares, que comprovam excelência com parâmetros mundiais na adoção de práticas sustentáveis no campo.
Esta área corresponde a 48 propriedades rurais certificadas. Para se atingir este resultado, foram realizadas 48 visitas de auditoria externa em propriedades rurais para a checagem de 179 itens do checklist para recomendar a unidade produtiva a receber o selo de produção sustentável.

Evolução do Programa ABR

 

Fotos