Prêmio Abapa de Jornalismo

Desde 2019, a Abapa instituiu o Prêmio Abapa de Jornalismo. Mais que o reconhecimento aos profissionais que realizam a cobertura dos fatos relacionados ao agronegócio no Brasil – setor que responde por um terço das riquezas e dos empregos no país – esta premiação é, também, um convite a que estudantes e novos talentos voltem o olhar para o campo e vejam as múltiplas abordagens temáticas e possibilidades que ele oferece.

A tecnologia agrícola desenvolvida no Brasil, especialmente, a partir dos anos de 1970, transformou o país num grande fornecedor mundial de alimentos e fibras têxteis naturais, como o algodão. O caso do algodão é, sem dúvida, um dos grandes exemplos da “Nova Revolução Verde” empreendida por aqui, já que, até os anos de 1990, éramos o segundo maior importador mundial de fibra, e nos tornamos, em menos de duas décadas, o segundo maior exportador mundial.

Para alcançar o objetivo de aproximar estudantes da realidade do campo, com o Prêmio Abapa de Jornalismo, a associação leva a sério a máxima que diz que o jornalismo é a “arte de sujar sapatos”, e promove a visita dos futuros profissionais às unidades de produção, beneficiamento, classificação e outras etapas da cadeia produtiva, na região Oeste da Bahia. Para tanto, a Abapa conta com o apoio das instituições de ensino. Com o arrefecimento das medidas restritivas relacionadas à pandemia da Covid-19, as visitas estão de volta, e prometem inspirar muitas pautas. Veja, no regulamento, o que é preciso fazer para participar e mãos à obra!

 

 

Algodão da Bahia em pauta na segunda edição do Prêmio Abapa de Jornalismo

Representantes de alguns dos principais veículos de comunicação da Bahia e do Brasil participaram, na manhã desta quinta-feira (02), do lançamento do edital 2022 do Prêmio Abapa de Jornalismo, iniciativa da entidade para o estímulo à produção de conteúdo sobre a cotonicultura baiana e o reconhecimento dos profissionais e estudantes de comunicação que se dedicam à cobertura desta atividade produtiva, na qual o estado ocupa o segundo lugar do ranking nacional de fornecimento da fibra. O Lançamento ocorreu no estande institucional compartilhado entre a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), na Bahia Farm Show. A feira de tecnologia e negócios agrícolas está acontecendo esta semana na cidade de Luís Eduardo Magalhães. O edital do concurso já se encontra no site da Abapa (www.abapa.com.br), e traz o regulamento para quem deseja participar, nas categorias Profissional e Estudante, e nas modalidades de mídia contempladas. Para concorrer aos prêmios, que totalizam R$81 mil, sendo R$36 mil para professores e estudantes e R$45 mil para a categoria profissional, os interessados devem se inscrever até o dia 09 de setembro e as matérias submetidas deverão ter sido publicadas em veículo de mídia, conforme a modalidade, entre os dias 25 de maio e 05 de setembro de 2022.



A Abapa definiu como recorte a cotonicultura baiana. A região Oeste do estado é hoje detentora dos maiores índices de produtividade nacionais na fibra. Além disso, destaca-se pela qualidade do produto e pela sustentabilidade na produção. Para Luiz Carlos Bergamaschi, presidente da entidade, o desafio aos concorrentes aos prêmios é ir além da cobertura factual. “Tem muita coisa acontecendo aqui no que diz respeito à cultura do algodão, seja na pesquisa científica e na tecnologia, na capacitação profissional, na logística, na sustentabilidade, na comercialização, na educação e muito mais. Por traz disso tudo há o trabalho da Abapa, representando o produtor e indo muito além”, explica o presidente da Abapa. Segundo estudo citado por ele, nos municípios onde há cotonicultura no estado, há um incremento dos índices de desenvolvimento econômico e humano.

“O algodão é uma cultura exigente e demandante de tecnologia e inovação. Sua implantação no Oeste na Bahia e no cerrado do Brasil elevou o nível do agricultor de forma geral. Tanto ele e os seus times tiveram que se aprimorar, como também os processos. E, uma vez que ninguém cultiva apenas algodão, as demais culturas da matriz produtivas se beneficiam destes avanços”, conclui Bergamaschi, conclamando os profissionais de comunicação a participarem do concurso.



 

Em sua primeira edição, o Prêmio Abapa de Jornalismo reconheceu o talento dos jornalistas profissionais e dos acadêmicos das faculdades baianos. A solenidade foi realizada no dia 25 de novembro, no auditório da União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador. Na categoria “Profissionais”, foram reconhecidos os talentos de quem produziu material sobre “Agronegócio com foco na cotonicultura da Bahia” nas mídias: Internet, Jornal, Revista Impressa e TV, entre 3 de setembro de 2018 e 4 de novembro de 2019. Cada um dos vencedores (veja no link) recebeu uma premiação de R$ 10 mil reais para cada uma destas subcategorias. Na categoria “Jovem Talento”, se inscreveram os estudantes de faculdades baianas parceiras que participaram de uma visita técnica onde conheceram “in loco” a produção de algodão da Bahia, o segundo maior produtor do Brasil. Participaram da iniciativa os estudantes de cinco instituições de ensino de Salvador: Universidade Federal da Bahia (UFBA), Unijorge, Unifacs, Centro Universitário Estácio da Bahia e FTC.

Dentro do projeto da premiação de jornalismo, a Abapa proporcionou a vinda de grupo de 120 estudantes de Jornalismo para conhecer de perto as lavouras e as estruturas ligadas à cadeia produtiva do algodão da Bahia, o que permitiu a produção de reportagens nos formatos impresso e televisão sobre o algodão na Bahia, inscritas junto às coordenações dos cursos até o dia 14 de outubro e que levaram a premiação total de R$ 12 mil. Confira os vencedores no link.

Press Trip Jovem Talento

Além da visita a uma lavoura de algodão antes de ser colhido, na Fazenda Savana, em Luís Eduardo Magalhães, eles puderam visitar as instalações da Zanotto Cotton, uma algodoeira que separa a pluma do caroço de algodão; a Icofort, uma indústria de beneficiamento do caroço de algodão; e o Centro de Análise de Fibras da Abapa, considerado o maior laboratório de classificação da pluma da América Latina. Durante dois dias, eles participaram também de um ciclo de palestras, que abrangeu palestras de todos os processos que envolvem a cadeia produtiva do algodão na Bahia. Foram debatidos temas com produção agrícola, pesquisas para a prevenção e combate a pragas no campo, beneficiamento e qualidade da fibra de algodão, projetos de sustentabilidade e responsabilidade social e sobre a campanha “Sou de Algodão”, de valorização da fibra de algodão no mercado nacional.

 






Em caso de dúvidas, entrar em contato com a Abapa através do e-mail: abapa@abapa.com.br
ou celular: (77) 98825-6083.

Compartilhar:
;